07/10/2017
Quem não curte um achado, bom sujeito não é

Oi, tudo bem? Eu sou a Helleine e decidi abrir esse espaço pra compartilhar tudo de mais acessível e incrível no mundo da moda. Eu amo moda, mas mais importante, eu amo a moda democrática, amo brechó, liquidação e lojas populares. Eu acredito que bom gosto não depende do nominho na etiqueta e nem do quanto você pagou em uma peça, e acho que estilo nada mais é que a sua personalidade estampada naquilo que você veste e, principalmente, nas suas atitudes. Parece fútil dizer que o que você veste te define, e muitas vezes não define mesmo, mas já parou pra pensar porque você se veste assim? Roupas com certeza não definem caráter, mas muitas vezes externalizam aquilo que você está sentindo no momento, ou entregam um pouco de suas características, ou são capazes de esconder na sutileza dos detalhes o que você não gostaria de dizer em alto e bom som.

Os Croods

Os Croods – 2013 | © Dreamworks

Mas vem cá, vamos analisar o histórico! Acredita-se que as roupas surgiram meramente para atender às nossas necessidades mais básicas, como, por exemplo, nos proteger do frio, muitos anos depois sendo adotadas para cobrir as nossas partes íntimas, mas não se sabe quando elas passaram a ser um sinal de status. É possível que elas fossem usadas por caçadores sempre que eles matavam uma presa e usavam sua pele como sinal de sua força. Obviamente, com o passar do tempo elas foram sendo adotadas por mais e mais povos, que as confeccionavam de acordo com as suas necessidades. As roupas passaram a ser vistas como um símbolo da cultura de um determinado grupo. Não é a toa que quando pensamos em um povo x, logo pensamos em seu vestuário.

Kimono

Lady Maiko © 2014

Portanto, por si só acho besteira dizer que moda não tem lá a sua importância, pois é algo que pode trazer muito significado para quem a veste. A maneira como me visto diz muito sobre mim, e já ouvi que é, também, muito característica (não estou certa se isso foi um elogio), mas é legal ouvir que fulano ao ver uma pessoa na rua com um estilo de roupa lembrou-se de mim. Isso significa que meu estilo é marcante e peculiar e, para mim, isso basta. Não estou falando que você deve pautar sua vida em seu estilo, ou na moda como um todo, mas você precisa concordar comigo que se a moda não importasse nenhum pouco pra você, bastava usar a primeira coisa que visse pela frente. Você, homem, sairia de vestido? Eles eram comuns há centenas de anos, e são comuns ainda atualmente em muitos lugares. Percebe que, por mais que você ache bobo, você já faz parte do sistema? Aliás, você sabia que o setor têxtil movimentou cerca de R$140bi em 2013, e o que é mais importante, gera cerca de 2,4 milhões de empregos no país? Fútil ou não, ele importa.

Garimpando

2012 | © Samantha Cristo

No mais, o que tenho a dizer é que esse espaço é reservado para a moda, a minha forma de vê-la e usá-la, a moda simples ou elaborada, mas principalmente, palpável. Quero compartilhar achados e formas de usá-los, onde encontrá-los, etc. Quer melhor que isso para alguém que ainda está correndo atrás de seu milhão? Porém, achados não são apenas sinônimo de “barateza”, mas também aquelas coisas incríveis que não são tão baratinhas assim, mas que têm lá o seu valor e merecem ser compartilhados. Espero que gostem e que retornem aqui, e que este blog possa lhe ser útil um dia.





Deixe seu comentário


Deixe uma resposta